A cidade apagada

Algumas questões para pensar a atualização da gestão urbana, em tempos de agravamento das condições climáticas.

rsurgente

Temporal em Porto Alegre derrubou árvores e sistema de abastecimento de água e energia em praticamente toda a cidade. (Foto: Ivo Gonçalves/PMPA) Temporal em Porto Alegre derrubou árvores e sistema de abastecimento de água e energia em praticamente toda a cidade. (Foto: Ivo Gonçalves/PMPA)

Por Lena Annes (*)

Ando quase triste pela cidade, com cautela e afastamento, ao ver a Porto Alegre que adotei se transformando em algo que não sei definir.

Foi esta sensação que consegui extrair do meu estado de espírito depois de não reconhecer a Porto Alegre assolada por um fenômeno semelhante a um furacão com ventos superiores a 120 quilômetros na noite de sexta-feira (28/01/16).

Em um primeiro momento, após a ventania cessar e verificar que não ocorreram danos físicos e materiais (apenas alagamentos pontuais na cozinha e na área de serviço e um vidro quebrado no corredor do prédio em que moro) senti uma uma sensação de alívio, logo substituída pela apreensão com o que ainda viria, pois era evidente que a cidade fora duramente castigada. Temi…

Ver o post original 478 mais palavras

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s