Matérias sobre a Rolnik em POA – Sul 21, JC, CP

Sul 21

Para relatora da ONU, legado da Copa ainda é secundário em Porto Alegre

Visita da relatora da ONU para o direito à moradia incluiu duas comunidades que serão removidas pelas obras da Copa do Mundo de 2014 | Foto: Ramiro Furquim/Sul21

Vivian Virissimo

Em visita a Porto Alegre nesta quinta-feira (18) para conhecer a situação das comunidades que serão afetadas pelas obras da Copa do Mundo de 2014, a relatora especial das Nações Unidas para o direito à moradia, Raquel Rolnik, concluiu que um legado socioambiental está longe de ser consolidado em Porto Alegre, já que na maioria dos casos há apenas projetos anunciados pela prefeitura e pelo governo estadual. “A construção de um legado não se apresenta como a questão mais importante, ainda se mostra uma questão secundária”, disse a urbanista, ressalvando que Porto Alegre ainda tem a chance de criar modelos de modernização da cidade que sirvam de exemplo para o Brasil.

Raquel teve audiências com o prefeito José Fortunati e com o governador Tarso Genro, e conheceu a realidade das famílias da Vila Dique, removidas pela expansão do Aeroporto Salgado Filho, e da Ocupação 20 de novembro, que dará lugar ao complexo do Beira-Rio. Ao final do dia de trabalho, a urbanista e professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP conversou com os jornalistas em uma ocupação urbana transformada em moradia para dezenas de famílias, no centro da cidade.

Na avaliação de Raquel, a disponibilidade de recursos para a Copa do Mundo poderia resultar no cumprimento de propostas históricas como a regularização e urbanização das comunidades, mas há uma inversão de prioridades. “As intervenções da Copa do Mundo estão diretamente ligadas à execução do evento em si: chegar do aeroporto ao estádio, chegar do aeroporto aos hotéis e dos hotéis ao estádio. Essa é a agenda e não de construção de um legado socioambiental”, criticou.

Raquel afirmou que a ampliação do Aeroporto Salgado Filho, por exemplo, resultou na remoção das famílias da Vila Dique de forma irregular, sem a finalização das novas moradias e sem a conclusão de escolas e postos de saúde. “Eu não vejo nenhum sentido da questão da moradia não ter a mesma importância da construção de um aeroporto. Direito à moradia se trata de um direito humano. Andar de avião não é um direito humano”, defendeu a urbanista.

Raquel Rolnik criticou o processo de reassentamento das famílias para a Nova Vila Dique, sem a finalização de todas as moradias e sem a conclusão de escolas e postos de saúde | Foto: Ramiro Furquim/Sul21

Porto Alegre ainda tem uma chance

Mesmo considerando que o legado para as cidades ainda é uma questão em segundo plano, a relatora disse que a situação ainda pode ser revertida. “Ainda temos três anos, há tempo para uma agenda e uma pauta de construção de um legado socioambiental, mas a cidade e os cidadãos têm que despertar, mesmo porque não existe nenhum impedimento para que isso possa acontecer”, apontou.

Raquel Rolnik citou os exemplos do Morro Santa Tereza e da avenida Tronco, que dará acesso ao estádio Beira-Rio, como casos que podem resultar em projetos importantes para a cidade. A prefeitura projeta o reassentamento das famílias que moram na avenida Tronco nas imediações da comunidade, utilizando terrenos ociosos do local sem realocar as famílias em pontos isolados da cidade. O caso do Morro Santa Tereza, que é de propriedade do Estado, também poderá resultar num caso de regularização fundiária sem excluir os moradores pobres para outros locais da cidade. “Esses dois projetos jogam um paradigma para o Brasil e para o mundo de que as coisas não são excludentes. É possível fazer este evento de uma outra forma”, defendeu a urbanista, ressalvando que, por enquanto, há apenas anúncios por parte do poder público.

A relatora da ONU para o direito à moradia conversou com moradores da Nova Vila Dique, que deixaram as imediações do aeroporto para um loteamento em Porto Alegre | Foto: Ramiro Furquim/Sul21

“Se estas duas medidas forem efetivadas, será a oportunidade de Porto Alegre dizer para o Brasil e para o Mundo que aqui o modelo não é esse, que aqui o modelo é de construir um legado, melhor e includente, de uma cidade heterogênea, múltipla, que pode conviver distintos grupos sociais, inclusive na suas áreas mais valorizadas”, defendeu.

Raquel enfatizou que as construções na Copa são dominadas pelo capital corporativo e pelo segmento imobiliário, que transformam os aspectos centrais das cidades-sede, mas criam espaços excludentes. Segundo ela, é preciso construir uma plataforma que não é somente de moradia, mas de um legado socioambiental e de direitos humanos. “São várias agendas, vários atores que também podem se somar no sentido de garantir transparência e controle dos gastos públicos, direito à informação pública, controle social e a proteção dos direitos trabalhistas das obras, entre outras”.

Ela comparou Porto Alegre com outras cidades da Copa que já visitou enquanto relatora da ONU, como Rio de Janeiro, Belo Horizonte, São Paulo e Fortaleza e considerou que a situação na capital gaúcha é diferente. “Aqui em Porto Alegre não vi famílias receberam cheque de 3 mil para sair dos locais, nem a pintura de casas de moradores sem nenhum tipo de comunicação prévia ou o caso de uma moradia que foi derrubada com a pessoa dentro pela máquina de uma empreiteira registrado no Rio de Janeiro”, exemplificou.

Raquel Rolnik esteve na ocupação 20 de Novembro, próxima ao estádio Beira-Rio, cujo complexo será ampliado | Foto: Ramiro Furquim/Sul21

Segundo Raquel, o que se assemelha em todas as cidades-sede é o caráter de desinformação das comunidades atingidas. “Alguns temas se repetem em todos os lugares, como por exemplo, a questão muito importante que é a informação. Mesmo tendo um diálogo da prefeitura com as lideranças, nem sempre a informação chega nas comunidades. Todos precisam ser informados.”

Raquel ressaltou a importância de que seja estabelecido um pacto federativo de comportamento em relação à Copa, envolvendo municípios, Estados e governo federal. Segundo ela, a iniciativa poderia partir do Rio Grande do Sul. “Porto Alegre é um lugar com tradição no processo de construção democrático participativo, por isso é uma cidade para sair na frente para trazer um protocolo mesmo não envolvendo o governo federal, contemplando as comunidades diretamente atingidas e as organizações de direitos humanos”, disse.

Em dezembro, a relatora encaminhou uma Carta de Alegação ao governo brasileiro com as denúncias de irregularidades apontadas em dossiês elaborados pelo Ministério Público e pela Defensoria Pública. Segundo Raquel, até hoje o governo brasileiro não respondeu de forma satisfatória. Agora, a relatora deverá elaborar um segundo comunicado até o final de setembro, que será encaminhado novamente para o governo federal

“Fifa é uma máquina de corrupção”

A representante das Nações Unidas afirmou ainda que existe um protocolo firmado entre governo federal e a FIFA, mas a relatoria não tem acesso ao documento. “A FIFA é uma caixa preta, um máquina de corrupção e de favorecimentos individuais e corporativos, isso não é a relatoria que está afirmando, está na imprensa internacional há vários meses”.

"O mais perigoso são os acordos paralelos que a Fifa faz com cada uma das cidades-sede, com suas prefeituras" | Foto: Ramiro Furquim/Sul21

“Começa a se constituir um Estado de exceção, a ideia de que em nome da Copa é possível passar em cima de direitos, de leis, e constitui uma espécie de Estado paralelo, um Estado de emergência que apenas diante de catástrofes e conflitos os países acabam decretando para que as coisas possam acontecer. É o que aconteceu na Africa do Sul, é o que começa a acontecer no Brasil através de decretos e medidas provisórias”, alertou.

“Mas o mais perigoso são os acordos paralelos que a Fifa faz com cada uma das cidades-sede, com suas prefeituras. Esse é ainda mais secreto, com uma série de ingerências que foram percebidas em cidades da África do Sul. Coisas que não estavam no protocolo geral e que a FIFA foi negociando com as cidades, numa espécie de terrorismo promovido pela entidade. A FIFA é um grande perigo e a relatoria espera que esses acordos paralelos não aconteçam com as cidades brasileiras”.

Jornal do Comércio

Funcionária da ONU critica as remoções para obras da Copa
Relatora visitou Porto Alegre para conferir algumas das obras ligadas ao Mundial de 2014

O Brasil não está tratando de temas que envolvem condições apropriadas de habitação no preparo para a Copa do Mundo 2014. A sentença é da relatora especial da Organização das Nações Unidas (ONU) para o direito à moradia adequada, Raquel Rolnik, que está em Porto Alegre para conhecer um pouco da organização da cidade como sede do evento. Apesar de relatar que o País não tem cumprido plenamente seu papel com os cidadãos atingidos pelas mudanças que os megaeventos implicam, a urbanista revela que a Capital está em um caminho melhor na comparação com cidades como Rio de Janeiro e São Paulo.

A relatora da ONU teve audiência com o prefeito José Fortunati, visitou à Vila Dique e se encontrou com o governador Tarso Genro. Além disso, conheceu as instalações do prédio Utopia e Luta, no Centro da Capital. Para Raquel, um dos principais trunfos de Porto Alegre está na proposta para remoção da Vila Tronco, considerada por ela “não excludente”. “Fiquei contente em saber do prefeito Fortunati que a Vila Tronco vai ser removida para os arredores, por indicação da própria comunidade.” Para ela, esse tipo de iniciativa pode colocar Porto Alegre em posição de destaque.

Já sobre a situação na Vila Dique, Raquel fez algumas ressalvas. Ela destacou que muitos moradores não tiveram e não têm conhecimento sobre como o processo está sendo executado, e que a distância entre a área de remoção e as novas habitações da comunidade é um entrave para a atividade dos moradores. “Há uma distância entre o projeto e o que realmente aconteceu”, afirma a urbanista. “Você vê que tem as casas, mas a escola sequer foi construída, o posto de saúde ainda está sendo construído, na verdade não está implementado.”

Raquel critica o modelo que prioriza as obras do aeroporto em detrimento das moradias. A experiência em Porto Alegre deve ser o embrião de um segundo relatório que será enviado ao governo federal com o panorama da moradia adequada e a relação do tema com os megaeventos esportivos. Raquel relata que esse tipo de evento incide diretamente na habitação, e que desde o anúncio do Brasil como sede da Copa e das Olimpíadas, uma série de denúncias sobre as condições irregulares ocorreram.

A relatora sugere que a preparação para a Copa deve ser aproveitada como uma oportunidade de entrada de recursos para as cidades-sede.

Correio do Povo, 19 de agosto de 2011

Apresentadas melhorias da Chocolatão

O prefeito de Porto Alegre, José Fortunati, apresentou ontem, em cerimônia no Salão Nobre do Paço Municipal, a prestação de contas das principais realizações em benefício dos moradores do Residencial Nova Chocolatão – que saíram da vila Chocolatão, no Centro Administrativo. O ato foi acompanhado pela consultora da ONU para Habitação, Raquel Rolnik – que incluiu em extensa agenda na Capital, uma visita às áreas afetadas por obras da Copa 2014, cujo uso dependem da remoção ou benfeitorias às famílias do entorno. Também participaram da cerimônia secretários e parceiros da Rede para a Sustentabilidade da Chocolatão.

Desde 13 de maio passado, 180 famílias receberam casas novas, quatro casas de comércio, uma unidade de triagem de resíduos, praça, quadra poliesportiva, escolas, creches e atendimento em saúde e assistência social na região para a qual foram removidas. Segundo o prefeito, diversas melhorias estão tendo continuidade, mantendo os mais de 20 apoiadores da parceria estabelecida pela Rede para a Sustentabilidade da Chocolatão. Segundo o presidente da Associação dos Moradores do Residencial Nova Chocolatão, Soli Olmar, a comunidade teve atuação em cada pedra construída no loteamento e os desafios estão sendo discutidos de forma conjunta com o poder público municipal.

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s