Copa do Mundo e Olimpíada: benefício para poucos

Copa do Mundo e Olimpíada: benefício para poucos
Fernando Vives

27 de julho de 2011 às 10:38h

Para o estudioso de grandes eventos, Christopher Gaffney, é marginal o
ganho dos países com a Copa e a Olimpíada.

A transformação do esporte em negócio e a lista de exigências feitas
pelas federações internacionais para os países-sede de uma Copa do
Mundo ou Olimpíada têm gerado lucros exorbitantes, mas somente para a
Fifa, o COI e seus patrocinadores. Para as nações, quase nada sobra. É
o que afirma o geógrafo Christopher Gaffney, texano radicado no Rio de
Janeiro e professor visitante da pós-graduação em Arquitetura e
Urbanismo da Universidade Federal Fluminense.

Gaffney tem uma história das mais curiosas. Jogador de futebol
semiprofissional, percorreu o mundo com suas chuteiras e tornou-se o
maior craque de Taiwan em 1997. Quando se aposentou, perambulou por
Buenos Aires e Rio de Janeiro, onde estudou a importância cultural dos
estádios nessas cidades, que rendeu o livro Temples of the Earthbound
Gods (algo como Templos dos Deuses Ligados à Terra), ainda não editado
em português. No Rio, virou vascaíno roxo e especialista em impactos
urbanos provocados por grandes eventos. Nesta entrevista, diz o que
espera das mudanças previstas para a cidade depois da Copa 2014 e dos
Jogos Olímpicos de 2016.

Leia a íntegra da entrevista aqui.

CartaCapital: O senhor costuma dizer que a identidade cultural do
futebol brasileiro está ameaçada. Por quê?

Christopher Gaffney: Porque hoje existe um movimento no futebol
brasileiro para tornar o fã um consumidor. Esse espaço de lazer e
participação popular é cada dia mais para poucos que podem pagar.

CC: E essa mudança tem relação com os Jogos Olímpicos e a Copa do Mundo?

CG: Sim, para montar um evento nas cidades é fundamental construir
meios de transporte, rede hoteleira etc. E alguns fatores típicos do
neoliberalismo, como a privatização do espaço público, da valorização
do cidadão por sua capacidade de pagar por segurança, educação e
transporte, estão refletidos nesses eventos que o Brasil vai sediar.

CC: E quando houve essa guinada do esporte para o negócio?

CG: Nos Jogos Olímpicos, a partir de Los Angeles 1984, que foi a única
candidata. Até então havia a ideia de que se perdia dinheiro com o
evento. Em Los Angeles, os empreendimentos eram públicos, mas já
estavam prontos. E havia patrocinadores privados. Deu um lucro
tremendo. O auge dessa transformação das Olimpíadas foi em Barcelona,
em 1992.

CC: Barcelona é considerada o exemplo mais bem-sucedido de adequação
por meio dos Jogos Olímpicos. É um exemplo a ser seguido?

CG: Depende do critério. A Olimpíada ajudou a cidade a se transformar
num dos principais centros turísticos do mundo. Mas é preciso lembrar
que Barcelona tinha um plano diretor desde o início dos anos 1980 e a
Olimpíada fez parte dessa transformação de 20 anos. Os jogos foram
pensados como parte dessa transformação e não o fator determinante
dela.

CC: Mas viver em Barcelona é melhor após 1992?

CG: Depende. Com a Olimpíada, o aluguel explodiu na região central e
expulsou as classes mais baixas para a periferia. Mudou a essência da
cidade.

CC: O senhor acompanhou a preparação para os Jogos Pan-Americanos de
2007 no Rio de Janeiro. Como avalia o legado que ficou para a cidade?

CG: Os comitês organizadores dizem que não houve nenhum legado
urbanístico do Pan. O legado maior foi que essas mesmas pessoas se
credenciaram para organizar a Olimpíada. Só que a preparação para o
Pan foi uma desorganização total, houve fortes indícios de
superfaturamento e, no final, o evento custou dez vez mais. O (parque
aquático) Maria Lenk não é adequado para os Jogos Olímpicos e será
reformado. O estádio do Engenhão foi orçado em 120 milhões de reais,
mas custou 430 milhões. Desorganização e falta de transparência
totais.

CC: Em São Paulo, o Itaquerão receberá isenção fiscal porque ele trará
benesses para a zona leste. Faz sentido esse argumento?

CG: Não conheço nenhum caso no mundo onde isso tenha ocorrido. As
pessoas não querem morar perto de um estádio. No Engenhão não houve
melhoria nas ruas do entorno ou na vida das pessoas do bairro. Além
disso, a cultura brasileira de ir ao estádio não é do sujeito que
passa o dia no entorno fazendo compras para só depois ver o jogo. A
lógica econômica dessa afirmação simplesmente não existe. Na maior
parte do tempo o estádio estará fechado, e o entorno, vazio.

CC: É possível comparar a organização da Copa do Brasil com a da
África do Sul em 2010? A Copa africana foi uma boa experiência?

CG: Pesando na balança, sim. Foi boa culturalmente para os
sul-africanos para quebrar um pouco as barreiras sociais que ainda são
muito fortes e passar essa imagem ao mundo. Mas a dívida sul-africana
com as obras do Mundial eram de 4 bilhões de dólares, a mesma quantia
que a Fifa anunciou como lucro. Se você gasta 4 bilhões de dólares,
deveria ter 8 bilhões de lucro. Então foi uma transferência direta de
dinheiro público sul-africano para a Fifa. E nove dos dez estádios não
estão sendo utilizados regularmente.

CC: O mesmo pode ocorrer no Brasil?

CG: Sim. Quem organiza a Copa no Brasil é Ricardo Teixeira, caso único
em que o presidente da federação nacional também organiza o Mundial. A
filha dele é secretária geral do comitê, então é uma coisa familiar. E
não existe estrutura centralizada, não se sabe quem assume
responsabilidades. E depois, quando apertar, a responsabilidade vai
cair no colo do governo federal, como aconteceu no Pan. Quando foi o
Rio foi eleito a cidade-sede dos Jogos de 2016, Lula assinou um cheque
em branco de 29 bilhões de reais ao COI. Na hora do aperto, o poder
público vai ter de arcar com os custos.

CC: O senhor vê algo de bom na organização da Copa no Brasil?

CG: É uma oportunidade perdida. Estamos tentando construir aeroportos
para atender à demanda de 2014 no lugar de preparar as demandas de
2050. É tudo pensado para curto prazo. O planejamento urbano está
sendo dirigido pelos grandes eventos e não usando os grandes eventos
para melhorar as cidades.

CC: E as Olimpíadas do Rio em 2016, estão no mesmo caminho?

CG: Absolutamente. Se você vir o mapa da região metropolitana do Rio e
comparar com o mapa olímpico, você vai ver que esse último atinge a
Barra da Tijuca. Estamos privilegiando uma zona da cidade já
privilegiada. De quem são os interesses por trás disso?

CC: Pode ocorrer no Rio de Janeiro o que houve em Barcelona?

CG: Com certeza. Com a especulação imobiliária na zona sul, famílias
de classe média baixa estão indo para outras regiões onde não existem
melhorias urbanísticas com os Jogos. Na teoria, a ideia de se sediar
os Jogos é de se laçar uma malha de transporte por toda a cidade, mas
na prática está isolando comunidades e cortando a cidade em pedaços,
talvez para sempre.

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s